textimagens - rosaura soligo

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

nudez

rosaura soligo
era como todo mundo.
tinha uma preferência indisfarçável por sua melhor versão e, 
tanto quanto possível, 
fugia da pior. 
a primeira 
era com a fantasia, 
a festejar a vida
com a câmera, 
a registrar o tempo
com as soluções, 
a propor no ofício
com a tulipa, 
a celebrar miudezas que fossem. 
a outra... 

bem, a outra era 
a nudez implacável 
diante do outro 
quando amava.

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

manhã de sol

rosaura soligo

















haja hoje
para tanto 
ontem
leminski

imagens são palavras que nos faltam

título: manoel de barros                                                                                 rosaura soligo

sábado, 25 de janeiro de 2014

Granada nevada com céu azul e sol

vanessa simas











são mundos que não acabam,
porque sei que nunca conhecerei tudo, 
por mais que conheça muito. 
mundos que não acabam 
porque faço das minhas fronteiras 
e das fronteiras do mundo
lugares para serem atravessados 
e em cada travessia serem sentidos 
em vez de fazer 
com que sejam apenas divisões 
em um canto e outro, 
que delimitam o espaço geográfico 
pertencente a você ou a mim.
vanessa simas

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

o último da fila leva o prêmio

rosaura soligo




era uma vez
um passarinho
de lata
que voava
sobre a floresta
com uma penca
de gente dentro.
quando era assim,
um via jornal,
um lia livro,
um vigiava a janela,
um rezava forte,
um comia petisco,
um se servia
de água em copo
lá da caixa lá do fundo.
e a melhor vista 
era sempre um prêmio
a quem se atrasava
e ficava sem banco
para sentar e se afivelar.

moral da história:
em certos cantos
voar pelos ares
não é para os fracos.

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

sem conexão

rosaura soligo







podem ficar 
com a realidade
esse baixo astral
em que tudo 

entra pelo cano

eu quero viver 

de verdade
eu fico 

com o cinema 
americano
leminski

domingo, 19 de janeiro de 2014

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014